cine.png
Ministério do Turismo, Governo do Estado do ceará e Secult apresentam:

festival

ibero-americano de cinema

 
de 05/12 a 11/12/2020 
  • Facebook
  • Instagram
  • Flickr
  • Youtube

O Festival

28º CINE CEARÁ – FESTIVAL IBERO-AMERICANO DE CINEMA

4 a 11 de agosto de 2018

Concorrentes

Longa-metragem
Amália, a secretária, Andrés Burgos (Colômbia) (Première Nacional)
Anjos de Ipanema, Conceição Senna. (Brasil) (Première Mundial)
Cabras de merda, Gonzalo Justiniano (Chile) (Première Nacional)
Diamantino, Gabriel Abrantes e Daniel Schmidt (Brasil, Portugal, França) (Première Nacional)
Eduardo Galeano Vagamundo, Felipe Nepomuceno (Brasil) (Première Mundial)
O barco, Petrus Cariry (Brasil) (Première Nacional)
Petra, Jaime Rosales (Espanha) (Première Nacional)
Senhorita Maria, a saia da montanha, Rubén Mendoza. (Colômbia) (Première Nacional)

Curta-metragem
Eu sou o Super-Homem, Rodrigo Batista
A ponte, Rafael Câmara
Nomes que importam, Angela Donini e Muriel Alves
O vestido de Myriam, Lucas H. Rossi
A menina banda, Breno César
Plantae, Guilherme Gehr
A escolha de Isaac, Sergio GAG
Maria Cachoeira, Pedro Carcereri
A canção de Alice, Bárbara Cariry
Capitais, Kamilla Medeiros e Arthur Gadelha
O Evangelho segundo Tauba e Primal, Márcia Deretti
Só por hoje, Sabrina Garcia
Nova Iorque, Leo Tabosa

Premiados

Longa-metragem
Júri
Belisario Franca (Brasil) / Stephen Bocskay (Estados Unidos) / Belisa Figueiró (Brasil) / Gustavo Salmerón (Espanha) e Emilio Bustamante (Peru).

Melhor longa-metragem:
PETRA
Melhor direção:
Jaime Rosales (PETRA)
Melhor roteiro:
Jaime Rosales, Michel Gaztambide e Clara Roquet (PETRA)
Melhor ator:
Joan Botey (PETRA)
Prêmio da Crítica:
PETRA, Jaime Rosales
Melhor fotografia: Petrus Cariry (O BARCO)
Melhor trilha sonora original:
João Victor Barroso (O BARCO)
Melhor som:
Yures Viana, Érico Paiva e Petrus Cariry (O BARCO)
Prêmio Olhar Universitário:
O BARCO, Petrus Cariry
Melhor direção de arte:
Carlos Garrido (CABRAS DE MERDA)
Melhor atriz:
Natalia Aragonese (CABRAS DE MERDA)
Melhor montagem:
Raphaelle Martin-Holger (DIAMANTINO)

Curta-metragem
Júri
Cibele Amaral Correia (Brasil) / Sylvie Pierre (França) / Andréa Cals (Brasil) / Camila Vieira (Brasil) e Nirton Venâncio (Brasil).

Prêmio da Crítica (Abraccine), Prêmio Mistika, Prêmio Cia Rio e Premio da empresa NAYMAR
Melhor curta-metragem:
NOVA IORQUE, Leo Tabosa
Melhor direção:
Lucas H. Rossi (O VESTIDO DE MYRIAM)

Prêmio Olhar Universitário e Troféu Samburá, Prêmio Aquisição Canal Brasil
Melhor curta-metragem:
O VESTIDO DE MYRIAM, Lucas H. Rossi
Melhor roteiro:
SÓ POR HOJE, Sabrina Garcia
Melhor produção cearense:
A CANÇÃO DE ALICE, Barbara Cariry

Troféu Samburá
Melhor diretor: Guilherme Gehr (PLANTAE)