cine.png
Ministério do Turismo, Governo do Estado do ceará e Secult apresentam:

festival

ibero-americano de cinema

 
de 05/12 a 11/12/2020 
  • Facebook
  • Instagram
  • Flickr
  • YouTube
  • Facebook
  • Instagram
  • Flickr
  • Youtube

O Festival

8º CINE CEARÁ – FESTIVAL NACIONAL DE CINEMA E VÍDEO

29 de maio a 4 de junho de 1998

Homenageados

Nelson Pereira dos Santos
Ary Sherlock
Lourdes Martins
B. de Paiva

Concorrentes

Filmes
Castelos de vento, Tânia Anaya
Alex, Mauro Baptista
A árvore da miséria, Marcus Vilar
Ângelo anda sumido, Jorge Furtado
Sexo e Beethoven – O reencontro, Carlos Gerbase
Lápide, Paulo Morelli
Tangerine girl, Liloye Boubli
Um dia e logo depois um outro, Nando Olival e Renato Olival
Simião Martiniano, o camelô do cinema, Clara Angélica e Hilton Lacerda
Clandestina felicidade, Beto Normal e Marcelo Gomes
O trabalho dos homens – Castelo de vento, Fernando Bonassi
Amar, Carlos Gregório
Rosa, Bruno Vianna
O nordestino e o toque de sua lamparina, Ítalo Maia

Vídeos
100 redes e tralhas, Roberto Moreira
Os pipichadores, Luís Cláudio Viana, Maurício Gino e Sérgio Vilaça
Carlos Nader, Carlos Nader
Penitência, Joel de Almeida
A cidade seca, Rogério Terra Jr.
O café noturno, Marina Amaral
Jeca Tatu, Chico Terra
Qual o poema/poeta de sua predileção, Marcelo Braga e Chico de Paula
Terra de morada – Fragmentos de Identidades, Durval Leal Filho
Estudo número 1 e Esboço número 2, Ana Lúcia Guimarães
Uma noite com Buda, Alexandre Veras
Durvalina, Francis Vale
Com o oceano inteiro para nadar, Karen Harley

III MOSTRA INTERNACIONAL DE NOVOS TALENTOS
Iremos a Beirute, Marcus Moura (Brasil)
Bogwoman, Tom Collins (Irlanda)
Buttoners, Peter Zelenko (República Checa)
Jaya Ganga, Vijay Singh (Índia / França)
Exílio em Sarajevo, Thair Cambis e Alma Sahbaz (Austtrália)

Premiados

Cinema
Júri
Luís Geraldo Miranda Leão / Zelito Viana / Jaqueline Mepieel / Severino Dadá / Manoel Rodrigues

Melhor filme:
A ÁRVORE DA MISÉRIA − Marcos Vilar
Melhor direção:
Clara Ângela e Hilton Lacerda (SIMÃO MARTINIANO, O CAMELÔ DO CINEMA)
Melhor direção de arte:
Regis Monteiro (TANGERINE GIRL)
Melhor edição:
Giba Assis Brasil (ÂNGELO ANDA SUMIDO)
Melhor trilha sonora:
Jorge Fernando (ÂNGELO ANDA SUMIDO)
Melhor fotografia:
Jane Malaquias, por (A ÁRVORE DA MISÉRIA)
Melhor roteiro:
Fernando Bonassi; Victor Navas (O TRABALHO DOS HOMENS)
Melhor animação:
O NORDESTINO E O TOQUE DE SUA LAMPARINA − Ítalo Maia
Melhor atriz:
Luiza Phebo (CLANDESTINA FELICIDADE)
Melhor ator:
Alexandre Parternost (ALEX)

Vídeo
Júri
Paulo Ernesto Serpa / David Tygel / Lyonel Luchini / Valderi Duarte / Marília Alvim

Melhor vídeo e direção:
PENITÊNCIA − Joel de Almeida
Melhor direção de arte:
Vânia Martins (JECA TATU)
Melhor fotografia:
Jacques Cheviche (COM UM OCEANO INTEIRO PARA NADAR)
Melhor edição e trilha sonora:
Roberto Moreira (100 REDES E TRALHAS)
Melhor roteiro:
Karen Harley (COM UM OCEANO INTEIRO PARA NADAR)
Melhor vídeo experimental:
O CAFÉ NOTURNO − Marina Amaral
Melhor animação:
PIPICHADORES − Luiz Cláudio Viana, Maurício Gino e Sérgio Vilaça
Melhor atriz:
Graça Freitas (DURVALINA)
Melhor ator:
Joca Andrade (DURVALINA)
Menção especial do júri:
TERRA MORADA – FRAGMENTOS DE IDENTIDADES – Durval Filho

III Mostra Internacional de Novos Talentos
Prêmio Júri Popular
Marcus Moura (direção em IREMOS A BEIRUTE)