Mostra Brasileira Competitiva de Curta-Metragem

Além da jornada

Diretor(es)

Gênero. Duração

Gabriel Silveira

Ficção. 18 min.

Local. Ano

CE. 2019.

Classificação indicativa:

16 anos

Sinopse

O funcionário de uma agência de turismo se encontra na incumbência de prestar um novo e insólito serviço para o seu patrão.

Ficha Técnica

DIREÇÃO: Gabriel Silveira e Victor Furtado ROTEIRO: Gabriel Silveira EMPRESA PRODUTORA: Marrevolto Filme PRODUÇÃO: Caroline Louise FOTOGRAFIA: Victor de Melo DIREÇÃO DE ARTE: Thais de Campos MONTAGEM: Gabriel Silveira TRILHA SONORA: Vitor Colares SOM DIRETO: Pedro Diógenes FINALIZAÇÃO DE SOM: Érico Sapão ELENCO: Vitor Colares, Ana Cristina Viana, Galba Nogueira, Yuri Yamamoto e Liana Fonteles.

Sobre o(s) Diretor(es)

Gabriel Silveira Nasceu em Fortaleza, em 1983. Formado em História pela Universidade Federal do Ceará, é cineasta desde 2007. Participou de vários festivais nacionais, incluindo o Cine OP, Mostra do Filme Livre (RJ) e Cine Ceará. Sua filmografia inclui Fortaleza- Caucaia (2008), Alguns páreos em Palermo (2014) e Conluios (2017). Todos documentários. Além da jornada (2018) é a sua estreia na ficção.

Victor Furtado Pesquisador e realizador de cinema, formou-se pela Escola Pública de Audiovisual de Fortaleza – Vila das Artes. Trabalha em muitos filmes e em formação livre de cinema. Entre seus trabalhos estão os curtas Raimundo dos Queijos (2011), Meu amigo Mineiro (2013) e Visita guiada (2017).

Inédito

Victor Furtado

play.png

As Constituintes de 88

Diretor(es)

Gênero. Duração

Gregory Baltz

Documentário. 15 min.

Local. Ano

RJ. 2019.

Classificação indicativa:

Livre

Sinopse

Em meio a uma Assembleia composta majoritariamente por homens, as 26 mulheres que participaram da Constituição de 1988 levantaram, de maneira suprapartidária, bandeiras para garantir igualdade de gênero nas discussões sobre direitos sociais e políticos.

Ficha Técnica

DIREÇÃO: Gregory Baltz EMPRESA: CPDOC FGV ROTEIRO: Gregory Baltz MONTAGEM: Lucas Pípolos e Luisa Santana TRILHA SONORA: Carlos Carty e John Deley.

Sobre o(s) Diretor(es)

Gregory Baltz. Bacharel pela primeira turma de cinema da FACHA, criada por Nelson Hoineff. Atua como assistente de direção de Emilio Gallo. Também dirigiu os curtas-metragens Ouro para o bem do Brasil e Carta para Glauber, ainda inéditos.

Festival É Tudo Verdade 2019

play.png

Ilhas de calor

Diretor(es)

Gênero. Duração

Ulisses Arthur

Ficção. 20 min.

Local. Ano

AL. 2019.

Classificação indicativa:

16 anos

Sinopse

O amor explodiu / Dentro de uma das Torres Gêmeas / E agora voa no ar como poeira. / Procurar por ele é o mesmo / que procurar piolho em / cabeça de cobra / Ou cabelo em casca de ovo /O que sinto agora / Já não sei o nome. / Entre nós há um buraco profundo / Como crateras no oceano / Somos ilhas de calor / De duas cidades longes / De lados diferentes do mundo. (Fabrício, 8ª série)

Ficha Técnica

DIREÇÃO: Ulisses Arthur ROTEIRO: Ulisses Arthur EMPRESA PRODUTORA: Céu Vermelho Fogo Filmes PRODUÇÃO: Thamires Vieira FOTOGRAFIA: Lílis Soares DIREÇÃO DE ARTE: Lucas Cardoso MONTAGEM: Ulisses Arthur TRILHA SONORA: Ulisses Arthur e Bruno Brandão SOM DIRETO: Léo Conceição FINALIZAÇÃO DE SOM: David Aynan ELENCO: Vyctoria Tenóryo, Vitor Santos, Anny Santos, Fernanda Monalisa, Edilene da Silva, Adriana da Silva, Carleane Alves.

Sobre o(s) Diretor(es)

Ulisses Arthur Formado em Cinema e Audiovisual pela Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), atua nas áreas de roteiro, direção, montagem e oficinas de formação em cinema. Vive em Maceió e faz parte da produtora Céu Vermelho Fogo Filmes, na qual realizou seus primeiros curtas-metragens: As melhores noites de Veroni (2017) e CorpoStyleDanceMachine (2017) – exibidos em diversos festivais pelo Brasil.

Inédito

Livro e meio

Diretor(es)

Gênero. Duração

Giu Nishiyama

Animação. 13 min.

Local. Ano

SP. 2019.

Classificação indicativa:

Livre

Sinopse

Páginas de uma imersão em si mesmo.

Ficha Técnica

DIREÇÃO: Giu Nishiyama e Pedro Nishi EMPRESA: Meus Russos PRODUÇÃO: Eduardo Chatagnier, Heitor Franulovic, Lucas Barão, Paulo Serpa, Roteiro: Elena Altheman DIREÇÃO DE ARTE: Alice Hirata, Giu Nishiyama MONTAGEM: Clara Bastos; TRILHA SONORA: Julia Teles, Luis Felipe Labaki; FINALIZAÇÃO DE SOM: Daniel Turini, Fernando Henna ELENCO: Beatriz Sano, Eduardo Fukushima

Sobre o(s) Diretor(es)

Giu Nishiyama é animadora e técnica em composição de imagem com formação em artes plásticas pela USP. Desde 2006 colaborou em mais de uma dezena de projetos por empresas produtoras como Copa Studio, Oca Animation e Birdo Studio. Livro e meio é sua estreia na direção.

Pedro Nishi é diretor e argumentista formado pela USP. Teve sua estreia com o curta Retratos pra você, exibido em dezenas de festivais no Brasil e exterior e vencedor do Prêmio Revelação no 28º Festival Internacional de Curtas-metragens de São Paulo. Seus filmes Tempo de ir, tempo de voltar e Liberdade, também receberam vários prêmios. Livro e meio é sua primeira experiência em animação, em parceria com sua irmã mais velha, Giu.

Pedro Nishi

play.png

Marco

Diretor(es)

Gênero. Duração

Sara Benvenuto

Ficção. 21 min.

Local. Ano

CE. 2019.

Classificação indicativa:

10 anos

Sinopse

O retorno de Isadora a sua cidade natal e o confronto com seus familiares e seu passado.

Ficha Técnica

DIREÇÃO e ROTEIRO: Sara Benvenuto PRODUÇÃO: César Teixeira FOTOGRAFIA: Victor de Melo DIREÇÃO DE ARTE: Kamille Costa e Dante Severiano MONTAGEM: Grá Dias SOM DIRETO: Vivi Rocha FINALIZAÇÃO DE SOM: Henrique Gomes ELENCO: Ana Luiza Rios, Marta Aurélia, Pedro Domingues, Loreta Dialla e Rafael Nog.

Sobre o(s) Diretor(es)

Sara Benvenuto Professora, tradutora, pesquisadora e realizadora audiovisual, formou-se em Realização Cinematográfica pela New York Film Academy e é doutoranda em Linguística Aplicada, com ênfase em Tradução Intersemiótica, pela Universidade Estadual do Ceará, onde atualmente, é professora assistente e coordena o grupo de pesquisa em tradução audiovisual LETRAA e o projeto de iniciação artística de extensão e cineclube, Cine Alicerce. Realizou os curtas Amor no ar (2014), Brancos elefantes (2012), Nas asas do coração (2010), Intervalo (2008) e o longa-metragem Ver para ouvir/Ouvir para ver (2009). Seu mais recente curta, Marco, foi selecionado no 12º edital de cinema e vídeo da Secretaria de Cultura do Estado do Ceará.

Inédito

play.png

Marie

Diretor(es)

Gênero. Duração

Leo Tabosa

Ficção. 25 min.

Local. Ano

PE. 2019.

Classificação indicativa:

10 anos

Sinopse

Depois de 15 anos, Mário volta a sua cidade natal para enterrar o pai. Agora ele é Marie, uma mulher trans. Reencontra seu melhor amigo de infância, Estevão, e com ele, o seu passado. Estevão e Marie partem numa viagem para a cidade do Crato.

Ficha Técnica

DIREÇÃO e ROTEIRO: Leo Tabosa EMPRESA PRODUTORA: Pontilhado Cinematográfico, PRODUÇÃO: Arthur Leite e Jorge Sardo Jr. FOTOGRAFIA: Petrus Cariry DIREÇÃO DE ARTE: Isabela Stampanoni MONTAGEM: Caio Zatte SOM DIRETO: Lucas Caminha FINALIZAÇÃO DE SOM: Érico Paiva ELENCO: Rômulo Braga, Wallie Ruy e Divina Valéria.

Sobre o(s) Diretor(es)

Leo Tabosa Diretor, roteirista, escritor e gestor cultural, formou-se em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo, licenciatura em História com especialização em História Regional do Brasil: Nordeste (Unicap) e pós-graduando em Estudos Cinematográficos, todos pela Universidade Católica de Pernambuco. Entre seus trabalhos destacam-se os documentários: Retratos (2010), Tubarão (2013) e Baunilha (2017), o filme de animação As aventuras do Menino Pontilhado (2016) e os curtas de ficção Nova Iorque (2018) e Marie (2019).

47º Festival de Cinema de Gramado e 30º Festival Internacional de Curtas-Metragens de São Paulo.

play.png

O grande amor de um lobo

Diretor(es)

Gênero. Duração

Kennel Rogis

Documentário. 13 min.

Local. Ano

RN. 2019.

Classificação indicativa:

10 anos

Sinopse

Na busca pelo verdadeiro amor, um jovem faz da realidade seu próprio filme.

Ficha Técnica

DIREÇÃO e ROTEIRO: Kennel Rogis e Adrianderson Barbosa EMPRESA PRODUTORA: Gravura Filmes e Heco Produções PRODUÇÃO: Kennel Rogis, Eugênio Puppo, Rayanes Menezes e Rozangela Modesto FOTOGRAFIA: Kennel Rogis DIREÇÃO DE ARTE: Coletivo Nós do Audiovisual MONTAGEM: Kennel Rogis TRILHA SONORA: Aldair Playboy e Omulu SOM DIRETO: Rubens dos Anjos.

Sobre o(s) Diretor(es)

Kennel Rogis Cineasta, roteirista, diretor de fotografia e montador, é gestor da produtora Gravura Filmes, idealizador e coordenador do Festival Curta Coremas. Dirigiu os filmes Travessia (2011) e Sophia (2013), que somam mais de 40 prêmios e foram exibidos em mais de 20 países. Instrutor da oficina Cinemando – Teoria e Prática, com aulas de realização cinematográfica para leigos e profissionais.

Adrianderson Barbosa Estudante do ensino médio, participa do coletivo Nós do Audiovisual, grupo de jovens coordenado pela equipe da Heco Produções, produtora da Mostra de Cinema de Gostoso (RN). Participou da oficina Cinemando - teoria e prática, ministrada por Kennel Rogis, com quem divide a direção em O grande amor de um lobo.

Mostra Gostoso de Cinema (RN)

Adrianderson Barbosa

play.png

O tempo do olhar e o olhar no tempo

Diretor(es)

Gênero. Duração

Samuel Brasileiro

Documentário. 6 min.

Local. Ano

CE. 2019.

Classificação indicativa:

Livre

Sinopse

O passado e o presente como um tempo só.

Ficha Técnica

DIREÇÃO, FOTOGRAFIA e SOM DIRETO: Samuel Brasileiro ROTEIRO: Natália Maia e Samuel Brasileiro EMPRESA PRODUTORA Bordo Filmes PRODUÇÃO: Natália Maia e Samuel Brasileiro MONTAGEM: Natália Maia e Samuel Brasileiro FINALIZAÇÃO DE SOM: Lucas Coelho Carvalho ELENCO: Laurita

Sobre o(s) Diretor(es)

Samuel Brasileiro Roteirista e diretor, formou-se em Cinema e Audiovisual pela Universidade Federal do Ceará, onde é mestrando em Comunicação Social. Dirigiu os curtas-metragens Lição de esqui e Biquíni paraíso. É um dos diretores do longa-metragem coletivo O animal sonhado. Criador das séries Os herdeiros e Lana & Carol. Um dos roteiristas do longa-metragem Pacarrete, dirigido por Allan Deberton. Prepara-se para filmar dois curtas-metragens, Fortaleza liberta e Muxarabi, codirigidos com Natália Maia. É também professor de audiovisual e em 2018 coordenou a Escola de Audiovisual do Centro Cultural Grande Bom Jardim.

Inédito

play.png

Oração ao cadáver desconhecido

Diretor(es)

Gênero. Duração

Sávio Fernandes

Ficção. 11 min.

Local. Ano

CE. 2019.

Classificação indicativa:

12 anos

Sinopse

Em um lugar isolado, um corpo não identificado surge nas proximidades de uma família, despertando a curiosidade sobre sua origem.

Ficha Técnica

DIREÇÃO e ROTEIRO: Sávio Fernandes EMPRESA PRODUTORA Universidade de Fortaleza PRODUÇÃO: Ivan de Araújo FOTOGRAFIA: Felipe Mafuz e Sávio Fernandes DIREÇÃO DE ARTE: Iris Rosal e Victor Gifoni MONTAGEM: Sávio Fernandes TRILHA SONORA: Guilherme Peixoto SOM DIRETO: Daniel Victor FINALIZAÇÃO DE SOM: Pedro Emílio Sá e Lucas Coelho de Carvalho ELENCO: Alisson Emanoel, Aurélio Sampaio e Felipe Saraiva.

Sobre o(s) Diretor(es)

Sávio Fernandes Graduando do Curso de Cinema e Audiovisual na Universidade de Fortaleza, tem trabalhos em direção, roteiro, fotografia e edição. Além de Oração ao cadáver desconhecido, realizou Tommy Brilho, Wondering and wandering, Who’s the man?, A pesca das sereias e Paralisia.

Inédito

Pop ritual

Diretor(es)

Gênero. Duração

Mozart Freire

Ficção. 20 min.

Local. Ano

CE. 2019.

Classificação indicativa:

16 anos

Sinopse

Padre João prende um vampiro e o visita para um regime de experimentos científicos e estranhezas. Com o passar do tempo, os encontros se tornam uma alucinada relação entre o erótico e o sobrenatural, uma relação obsessiva de vida e de morte entre corpos.

Ficha Técnica

DIREÇÃO e ROTEIRO: Mozart Freire EMPRESA PRODUTORA: Sereia Filmes PRODUÇÃO: Bárbara Cariry FOTOGRAFIA: Daniel Pustowka DIREÇÃO DE ARTE: Jônia Tércia MONTAGEM: Abdiel Anselmo e Jônia Tércia TRILHA SONORA: João Victor R. Barroso SOM DIRETO: Vivi Rocha FINALIZAÇÃO DE SOM: Érico Paiva ELENCO: Alcântara Costa e Kahlo de Oliveira.

Sobre o(s) Diretor(es)

Mozart Freire é sociólogo, roteirista e diretor de cinema, com graduação em Ciências Sociais e mestrado em Sociologia pela Universidade Federal do Ceará. Estudou audiovisual na Vila das Artes e participou do Laboratório de cinema do Porto Iracema, no qual desenvolveu junto com Abdiel Anselmo o roteiro O ovo do rei caranguejo que obteve menção honrosa pelo Instituto Olga Rabinovich. Roteirista e diretor dos curtas Cinemão (2015), Janaína Overdrive (2016) e Pop Ritual (2019).

Festival Court Mais Trash (Bruxelas)

play.png

Primeiro ato

Diretor(es)

Gênero. Duração

Matheus Parizi

Ficção. 19 min.

Local. Ano

SP. 2018.

Classificação indicativa:

Livre

Sinopse

"Parem o mundo eu quero descer". Dois estudantes de teatro tentam convencer seus colegas a saírem da sala de aula e se juntarem a eles nos protestos contra o desmantelamento das políticas culturais que toma conta do Brasil.

Ficha Técnica

DIREÇÃO: Matheus Parizi ROTEIRO: Matheus Parizi e Juliana Lobo EMPRESA PRODUTORA: Antítese e Filmes de Abril PRODUÇÃO: Paula Pripas FOTOGRAFIA: Flora Dias DIREÇÃO DE ARTE: Juliana Lobo MONTAGEM: Tomás von der Osten TRILHA SONORA: Bateria Ritmo da Luta – UJS SOM DIRETO: Jonathan Macías e Tales Maninfrato FINALIZAÇÃO DE SOM: Jonathan Macías ELENCO: Lui Seixas, Jorge Neto, Alvise Camozzi.

Sobre o(s) Diretor(es)

Matheus Parizi Cineasta, diretor teatral e dramaturgo, seus filmes foram exibidos e premiados em numerosos festivais e instituições pelo mundo. Primeiro ato estreou na Ammodo Tiger Short Competition do IFFR. Atualmente escreve um longa-metragem baseado em seu curta O afinador. Escritor e diretor de programas de TV e de uma webserie. Em 2019 escreveu e dirigiu o filme-ensaio Crítica audiovisual (das Ações Educativas).

Festival de Roterdã – Tiger Shorts, IndieLisboa, Mostra Brasil em Transe, Festival Cinematográfico Internacional do Uruguai, Festival de Dallas, Festival de Curtas de Kiev – Mostra Radical Arts Acts, Festival de Curtas de Glasgow – Mostra Brazil: Luto pra nós é verbo.

play.png

Rua Augusta, 1029

Diretor(es)

Gênero. Duração

Mirrah Iañez

Documentário. 11 min.

Local. Ano

SP. 2019.

Classificação indicativa:

Livre

Sinopse

Em São Paulo, na madrugada de 13 de abril de 2015, seis mil famílias ocuparam 18 prédios sem função social. O ato, chamado de Abril Vermelho, serviu para atentar o governo sobre a falta de vontade política para sanar os problemas de habitação.

Ficha Técnica

DIREÇÃO, PRODUÇÃO, FOTOGRAFIA e SOM DIRETO: Mirrah Iañez EMPRESA PRODUTORA: Independente MONTAGEM: Eduardo Liron FINALIZAÇÃO DE SOM: André Teles ELENCO: F.L.M. (Frente de Luta Por Moradia).

Sobre o(s) Diretor(es)

Mirrah Iañez Documentarista, fotógrafa e educadora de arte, realizou microfilmes experimentais, entre eles Metamorfoses do jornal e Para Belo Monte. Entre 2013 e 2014 dirigiu, produziu e roteirizou os curtas Estátuas vivas e Bumba bumba. Em 2015, lança com Eduardo Liron o webdoc Mobiliário urbano (moburb.org), obra interativa de criação coletiva. Em 2019 lançou o curta Rua Augusta, 1.029 e está finalizando Parente.

Inédito

play.png

Patrocínio

Agradecimento

Parceria

ctavoutra-possivel-assinatura---SIGNIKA.

Apoio Institucional

IDM.png
Captura_de_Tela_2019-08-18_às_17.44_edit
Captura_de_Tela_2019-08-18_às_17.44_edit
Captura_de_Tela_2019-08-18_às_17.44_edit

Realização

A Associação Cultural Cine Ceará comemora o cinema brasileiro e Iberoamericano, para reconhecer e apoiar novos cineastas, e para aumentar a consciência, acessibilidade e compreensão da arte entre um público amplo e diversificado.

endereço

Rua Barão do Rio Branco, 1071, sala 1205/1206 - Centro,

Fortaleza - CE - CEP: 60.025-060

Contato

contatos@cineceara.com

 
Assessoria de Imprensa Local
DÉgagÉ

www.degage.com.br

degagecomunica@gmail.com

Assessoria de Imprensa Nacional

Primeiro Plano

www.primeiroplanocom.com.br

julia@primeiroplanocom.com.br

  • Facebook Social Icon
  • Instagram Social Icon
  • Flickr Social Icon
receba nossa newsletter